domingo, 31 de maio de 2015

Hora da Poesia


Na minha vida há sempre um silêncio morto
Uma parte de mim que não pode
Nem desligar nem partir nem regressar
Aonde as coisas eram uma intimamente
Como no seio morno de uma noite

Sophia de Melho Breiner Andresen, In Obra Poética, Editorial Caminho 2011 (2ª ed.)

Sem comentários: