segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Hora da Poesia

O VALIOSO TEMPO DOS MADUROS

Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.

Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.

'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa...

Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!

Mario de Andrade (1893 - 1945)

2 comentários:

Sónia M. disse...

Se a todos bastasse o essencial...
Tantas verdades num texto tão pequeno!
Obrigada pela partilha :)

IC disse...

Fátima,
Gosto muito deste texto do Mario de Andrade mas, neste momento em que já me restam tão poucas cerejas, vejo em grande perigo coisas essenciais - valores civilizacionais conquistados - e, dado que as poucas cerejas que me restam já deixaram esgotadas tantas outras de lutas e esperanças, só posso desejar e esperar que aqueles que ainda têm muitas aprendam a resistir como os resistentes de outrora, e nisto incluo os meus netos.
Um abraço amigo.