domingo, 23 de outubro de 2011

Hora da Poesia

À mesa com o Prémio Nobel da Literatura 2011, o poeta sueco, Tomas Tranströmer.

Kyrie

A minha vida às vezes abria os olhos no escuro.
Uma sensação de multidões arrastando-se por ruas,
cegas e sem descanço, no caminho para um milagre,
enquanto eu fico aqui, invisível.
Como uma criança que adormece aterrorizada
à escuta dos passos pesados do coração,
até que a manhã ponha o seu raio de luz nos fechos
e as portas da escuridão se abram.

(Tomas Tranströmer, trad. de Vasco Graça Moura, In 21 Poetas Suecos, Editora Vega)

Via E.I

Sem comentários: