domingo, 12 de junho de 2011

Fernando Pessoa editado em mirandês

Depois de recentemente editada em mirandês a emblemática obra "O Principezinho", personagem criada por Antoine de Saint-Exupéry, com título “L Princepico”, chancela da Asa Editores (Março de 2011) e tradução de Ana Afonso e Domingos Raposo (dois conceituados estudiosos da Língua Mirandes), chegará brevemente às livrarias a «Mensagem», uma das obras mais emblemáticas de Fernando Pessoa, traduzida para língua mirandesa pelo investigador e escritor Amadeu Ferreira sob a chacela da Editora Âncora. O mesmo autor já antes havia adaptado os «Lusíadas» ao mirandês (2010).

O autor em declarações à Agência Lusa disse que se trata da tradução de uma obra chave da literatura portuguesa, não só em termos poéticos mas igualmente simbólicos.

«A tradução vem na senda de um trabalho iniciado há alguns anos e que visa traduzir para língua mirandesa algumas das obras mais emblemáticas da literatura portuguesa e universal», acrescenta o escritor.

O investigador já traduziu, anteriormente, obras como as histórias de Astérix, em banda desenhada, ou os «Lusíadas» de Luís Vaz de Camões.

O autor das traduções em mirandês apresentou também recentemente em Bragança, o primeiro romance escrito na segunda língua oficial de Portugal e que é editado também em português.

Este romance «duplo» tem dois títulos, explicou, acrescentando que assina o original em mirandês, «La Bouba de La Tenerie», com o pseudónimo Francisco Niebro, e a versão em português, «Tempo de Fogo», com o nome próprio.

As obras são baseadas em «factos históricos» e a acção decorre no «berço» da língua mirandesa, retratando o «ambiente sufocante que se viveu nas aldeias desta região durante a inquisição», contou.

Segundo Amadeu Ferreira, este romance histórico passa-se no ano de 1619 e a acção centra-se, sobretudo na agora vila de Sendim, tendo como personagem principal um frade homossexual queimado pela inquisição.

Muitos aspectos da obra são ficção. No entanto, esta relata também factos e personagens reais da época que o autor descobriu numa investigação que precedeu a escrita.

O original foi escrito em mirandês e a versão portuguesa surgiu do desafio lançado ao autor pela Editora Âncora, que publica agora as duas versões.

2 comentários:

Adelaide Monteiro disse...

L Princepico fui traduzido por Ana Afonso.

Bien haiades por dibulgardes cousas de la mie pormeira lhéngua.

Un abraço arrochado,

Delaide

Fátima André disse...

Adelaide,
Muito grata pela correção. Na verdade Ana Afonso e Domingos Raposo são os tradutores da obra.
O nome que indiquei por lapso (Maria José Pereira) foi a responsável de edição.
Correção feita!

Divulgar a cultura, as raízes, as tradições... é um objectivo deste espaço.
Volte sempre!

Un abraço arrochado =)