sábado, 2 de abril de 2011

Hora da Poesia

Por vezes

Por vezes tudo se confunde. As minhas mãos

são sol dentro das tuas e há cintilações nos campos

do Outono onde se guardam nuvens e esmeraldas.

Por vezes tudo se transforma. O céu cansado

mergulha na película dos lagos e adormece

em sono leve rente aos limos e às memórias.
Há um rumor de passos de ninguém e um lamento
de aves sem canto nem asilo. Há um fim de tarde
suspenso nas ramagens das árvores do Verão.
Por vezes sou o Verão a suportar a casa.
Por vezes sou a casa e acolho a sombra.
Por vezes tudo se confunde e sou a sombra.
Por vezes.
Licínia Quitério

Sem comentários: