quinta-feira, 18 de junho de 2009

Ensino e Tecnologia


"Professores devem aproveitar tecnologia para prática pedagógica" - Roberto Carneiro


Os professores devem abrir-se às novas tecnologias e introduzi-las nas suas práticas pedagógicas, para evitar um hiato entre a escola e os alunos, alertou Roberto Carneiro, ex-ministro da Educação, à Agência Lusa.

Roberto Carneiro falava a propósito do Foro de Lisboa sobre Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e Inovação na Educação, que se realiza hoje e sexta-feira no Centro de Congressos da capital e no qual participará como moderador.


"É preciso que os professores se abram às novas tecnologias, que não tenham medo delas e as introduzam plenamente nas suas práticas pedagógicas, para que não haja um hiato, como se verifica muitas vezes, entre uma escola analógica, do século XX, e os alunos do século XXI",
sublinhou.

Lisboa, 18 Jun (Lusa)

Nota: E eu acrescento: Não se esqueçam os responsáveis da Tutela da Educação de investir a sério na formação de professores nesta área... e que sejam todos os professores a fazer e não só alguns, a minoria, os interessados. Pelo que tenho contactado no terreno, e apesar de ser considerada uma área prioritária de formação do Ministério da Educação, são muito poucos os docentes que têm alguma formação especializada em Tecnologias da Informação e Comunicação, pelo menos no que toca à sua aplicação na sua prática pedagógica. Isto, para evitar que em próximos estudos TALIS se conclua que em questões de formação contínua de professores, os professores portugueses (p. 65) são dos que menos apoio recebem para a sua formação. E apesar de se gastar algum tempo significativo em formação, os professores portugueses são dos que mais se queixam da qualidade e adequação dessa formação (p.63). Pudera, o critério de inscrição na formação sempre foi totalmente independente da área científica do docente, daí as aberrações que conhecemos, por ex. docentes de matemática a fazer formação em artes decorativas ou docentes de Educação Física a fazer formação em história da arte. São apenas alguns exemplos.

1 comentário:

Anabela Magalhães disse...

Absolutamente de acordo, Fátima.
Tiro certeiro.