quarta-feira, 22 de abril de 2009

Vale a pena ler







Mágoas da Escola

de Daniel Pennac

Código: 04501
Editora: Porto Editora
ISBN-13: 978-972-0-04501-0
Edição (1ª ed.): Março de 2009
N.º de Páginas: 256
Preço de Capa: EUR 15,50
Preço da Editora on-line: EUR 12,40





Sinopse

A escola dos maus alunos
Sara R. Oliveira, 2009-04-22, In Notícias do Educar.pt


Regressa ao passado de estudante para reviver os dias difíceis do cábula que não queria aprender e passar despercebido. Cresceu, foi professor, tornou-se escritor. O francês Daniel Pennac escreveu Mágoas da Escola para pôr o dedo em algumas feridas - suas e da comunidade educativa.

A metáfora sobre o amor no ensino surge no final do livro. Com um aviso no cimo da página. "É verdade, entre nós, é malvisto falar de amor em matéria de ensino. Experimentem e verão. É o mesmo que falar de cordas em casa de um enforcado." A seguir, centra-se nas andorinhas que entram no quarto e procuram a saída. Há as que encontram o céu à primeira tentativa e as que esbarram contra os vidros das janelas. "Nem sempre se é bem-sucedido, às vezes enganamo-nos no traçado do caminho, há quem não acorde, fique caído no tapete ou parta o pescoço contra o vidro seguinte; esses permanecem na nossa consciência como zonas de remorso onde repousam as andorinhas mortas no nosso jardim, mas pelo menos tentamos, teremos tentado. São os nossos alunos." "Uma andorinha aturdida é uma andorinha a reanimar." Ponto final.

Daniel Pennac, autor do livro Mágoas da Escola, foi um mau aluno. E é exactamente deste ponto de vista que remexe nas questões educativas, misturando recordações e reflexões sobre pedagogia. A frustração dos péssimos alunos, a exclusão e o que não resulta no sistema de ensino. O seu livro ganhou o Prémio Renaudot em 2007, está traduzido em 24 países, mais de 800 mil exemplares foram vendidos em França, e acaba de chegar a Portugal numa edição da Porto Editora.

Sentia-se um aluno perdido num mundo que só os outros compreendiam. "Na minha infância, chegava todos os dias a casa perseguido pela escola. As minhas cadernetas reflectiam a censura dos professores." Lições por estudar, trabalhos por fazer. A contracapa do livro recupera as observações dessa fase. "Não fez nada e rendeu ainda menos", "fala muito, mas nem uma palavra em inglês", "deve esforçar-se mais", "demasiadas ausências". E a típica frase: "O terceiro período será decisivo." "As palavras do professor são toros flutuantes aos quais o mau aluno se agarra num rio cuja corrente o arrasta para as grandes quedas. Repete o que o professor disse. Não para encontrar algum sentido, não para que a regra tome forma; mas sim para resolver o assunto, momentaneamente, para que me ?deixem em paz'", escreve.

Há várias recordações. "Basta um professor - um único - para nos salvar e nos levar a esquecer todos os outros." Pennac não esquece os quatro "salvadores". O primeiro, um professor de Francês, encomendou-lhe um romance no 9.º ano. "(...) pela primeira vez na minha vida escolar, um professor atribuía-me um estatuto; eu existia escolarmente aos olhos de alguém, como um indivíduo que tinha uma linha a seguir, que mantinha o ritmo." Seguiram-se mais três que transbordavam vontade de ensinar e estimulavam o desejo de saber. Um professor de Matemática, uma professora de História e outro de Filosofia. "Não por se interessarem mais por mim do que pelos outros, não, demonstravam a mesma consideração pelos bons e maus alunos, e sabiam reanimar nos segundos o desejo de compreender". "Os professores que me salvaram - e que fizeram de mim um professor - não tinham recebido nenhuma formação para esse fim. Não se preocuparam com as origens da minha incapacidade escolar. Não perderam tempo a procurar as causas nem tão pouco a ralhar comigo. Eram adultos confrontados com adolescentes em perigo", acrescenta.

Nadador-salvador
Um mau aluno que em Setembro de 1969 entrou numa sala de aula como professor. "Mas, já professor, soube instintivamente que seria inútil agitar o futuro debaixo do nariz dos meus piores alunos." Um docente que viveu a escola como aluno interno e constantemente debaixo da sombra dos zeros das classificações. "Uma parte do meu trabalho consistia em persuadir os meus alunos mais desleixados de que a cortesia predispõe à reflexão mais do que um tabefe, de que a vida em comunidade compromete, de que o dia e a hora de entrega de um trabalho não são negociáveis, de que um trabalho medíocre tem de ser refeito para o dia seguinte, de que isto, e mais aquilo, mas de que nunca, mesmo nunca, eu e os meus colegas os abandonaríamos a meio do caminho". Com outra regra: não deixar que as três palavras "falta de bases" entrassem no vocabulário educativo.

Conhecia-os bem. Detectava-os com facilidade. Mais uma metáfora. "Os nossos ?maus alunos' (alunos considerados sem futuro) nunca vão sozinhos para a escola. O que entra na sala de aula é uma cebola: algumas camadas de tristeza, de medo, de inquietação, de rancor, de raiva, de desejos insatisfeitos, de renúncias furiosas, acumuladas sobre um fundo de passado humilhante, de presente ameaçador, de futuro condenado. Reparem, vejam-nos chegar, o corpo em transformação e a família dentro da mochila. A aula só poderá começar realmente depois de pousarem o fardo no chão e descascarem a cebola."

Pennac lembra as dúvidas dos professores. "Afinal, não é por minha culpa que este rapaz ainda se encontra no oitavo ano! Que lhe ensinaram, então, os meus predecessores? Só a escola deve ser posta em causa? Que pensam os pais? Imaginarão que com as turmas que tenho a meu cargo e o meu horário posso recuperar tamanho atraso?" Passa-se a batata quente. "Quente, a batata é-o sobretudo para os pais. Não se cansam de a passar de uma mão para a outra. As mentiras quotidianas do filho esgotam-nos: mentiras por omissão, efabulações, explicações exageradamente pormenorizadas, justificações antecipadas."

Na sua opinião, os professores não estão preparados para a colisão entre o saber e a ignorância. Há uma explicação, dada por uma professora, que não esquece. Uma boa turma não é um regimento que acerta o passo e a marcha, mas sim uma orquestra que se dedica a estudar a mesma sinfonia. Pennac tentou incutir o gosto pela leitura de textos nas suas aulas. E estendia as mãos aos alunos. "Eu parecia um nadador-salvador. Os mais fracos avançavam a custo, com a cabeça fora da água, segmento por segmento, agarrados à prancha das minhas explicações, depois nadavam sozinhos, começando por algumas preposições, até se aventurarem rapidamente num parágrafo inteiro, sem ler, de cabeça". Um cábula que quis ser professor, que deixou a escola há 12 anos e que hoje é um escritor de respeito. "(...) sempre encorajei os meus amigos e os meus alunos mais espertos a tornarem-se professores. Sempre pensei que a escola é feita, em primeiro lugar, de professores. Quem me salvou na escola, senão três ou quatro professores?"
*******
Notas: Este é um livro que recomendo vivamente. Um excelente testemunho vivo daquilo que é, e pode ser feito na e da escola -, do insucesso ao sucesso, da desmotivação ao entusiasmo, interesse e motivação... O espelho de milhares e milhares de crianças, adolescentes e jovens que não se identificam com a escola...
Em tempos idos publiquei aqui uma entrevista com Daniel Pennac sobre "O Poder dos Livros" e que valerá a pena (re)ler. Fica o convite.

3 comentários:

BC disse...

Fátima desculpa, andei completamente desorientada com a saúde, agora penso estar bem, depois falamos.
Está lá nos SORRISOS un selinho da Rebeca e do Jota Cê é para pegar, ninguém reparou nas palavras.

Fátima André disse...

Isabel,
Obrigada pelo selinho. Nos últimos meses têm sido tantos que eu vou juntando e só de tempos a tempos afixo. Talvez lá para o próximo fim de semana.
Saúde e alegria :)

PS. Amanhã estarei no lugar onde o Sol brilhou com mais encanto e onde o Céu toca a terra com uma intensidade indizível. Lá, no altar do mundo, lembrarei todos os amigos e aqueles a quem a vida não sorri por algum motivo.
Um abraço de amizade.

IC disse...

"Basta um professor - um único - para nos salvar e nos levar a esquecer todos os outros."
Sim, isso por vezes é verdade.
(Mas era bom que não fosse só um, ou dois ou três, mas todos)