quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O poder da PALAVRA

UM CEGO EM PARIS

Conta-se que havia um cego sentado numa rua, em Paris, com um boné aos pés e um pedaço de madeira que dizia, escrito com giz branco: "Por favor, ajude-me, sou cego".

Um publicitário, da área de criação, que passava em frente, parou e viu umas poucas de moedas no boné. Sem pedir licença, pegou no cartaz, virou-o, pegou no giz e escreveu outro anúncio. Voltou a colocar o pedaço de madeira aos pés do cego e foi-se embora.

Pela tarde, o publicitário voltou a passar em frente ao cego que pedia esmola. Agora, o seu boné estava cheio de notas e moedas. O cego reconheceu as pisadas e perguntou-lhe se havia sido ele a reescrever o seu cartaz e o que havia escrito nele. O publicitário respondeu: "Nada que não esteja de acordo com o seu anúncio, mas com outras palavras". Sorriu e continuou seu caminho.

O cego nunca soube, mas o novo cartaz dizia: "Hoje é Primavera em Paris, e eu não posso vê-la".

1 comentário:

ematejoca disse...

Olá Fátima!
Já há muito tempo, que lhe queria deixar um comentário e agradecer-lhe os seus - que são sempre muito bem-vindos -, mas o seus temas educacionais apavoram-me. Claro, que os leio e vou deixando umas estrelinhas, mas comentários é que não.
A história desta posta é linda! Depois de a ler apeteceu-me gritar: Hoje está um dia maravilhoso em Düsseldorf, e eu, gracas a Deus, posso vê-lo.

Até breve!