sábado, 14 de junho de 2008

Palavras soltas

Enrodilhadas de sonhos protelados
Desfeitos pelo tempo.
De um tempo que nunca existiu,
O lugar dos afectos.

Ontem devolveste-me
Um sonho,
O abraço fraternal
Do irmão e confidente,
Do sorriso verdadeiro
Ingénuo, cândido
E transparente.

Fizeste-me de novo acreditar:
Deus continua a cruzar-se
No meu caminho,
Em cada olhar,
Em cada rosto,
Em cada lar,
Em cada promessa…
O dia de ontem
Foi bálsamo de Felicidade.
O turbilhão da ansiedade
Velozmente amainou e
Deu lugar à serenidade.
Pintámos com as palavras
E com as cores do nosso Arco-íris,
Retalhos das nossas histórias.
Ficou lindo o primeiro quadro.
O nosso quadro de memórias
Pintado a quatro mãos, dois sorrisos,
Duas bocas, dois corpos…

E de novo,
Na hora de partir,
O medo de te perder
Ou de um dia te magoar
E a robustez
Da AMIZADE!
Fátima André, 14.6.2008

Imagem: [aqui]

Sem comentários: