quarta-feira, 4 de junho de 2008

Os tempos são sombrios, mas os pintores somos nós

Uma mensagem para quem não desiste de inventar dias mais coloridos...


Do desânimo
Por Paulo Coelho em 04 de Junho de 2008


Os “Guerreiros da Luz” não se deixam contagiar pelo desânimo coletivo.

Existe uma espécie de “economia cósmica”, e os guerreiros sabem que o desânimo é uma coisa inflacionária.

Quando as pessoas desanimam, abrem uma porta que em pouco tempo emperra e fica difícil de fechar.

Então, a doença do desânimo começa a se espalhar pela casa, pela vizinhança, pelo bairro, pela cidade, e pelo país.

Quanto mais desânimo encontramos em nosso caminho, mais desanimados ficamos.

Numa mórbida troca, pessoas infelizes se alegram quando podem colaborar mais para a infelicidade coletiva. Tudo passa a ser pior, e a “inflação” do desânimo se torna incontrolável.

Os “Guerreiros da Luz” não desanimam. Não perdem tempo reclamando da vida, procuram transformá-la num bom combate.
PS: Aqui neste blog não há lugar para o desânimo :)

4 comentários:

RENARD disse...

Querida Fátima:

Obrigada por se ter lembrado de mim. Devo confessar que não sou grande fã de Paulo Coelho. Li dois livros dele e não gostei particularmente.
No entanto, entendo a mensagem que me está a transmitir. Eu gosto muito de voçês todos e considero-me parte integrante da teia.
A BC é extraordinária. Estimo-a como a qualquer outro amigo meu.
Pergunta se gosto de mim. Não, de todo. Aliás, é o grande problema que faz com que todos os outros pesem ainda mais. Luto diariamente para mudar isso em mim mas não é fácil e muito menos linear. Mas com a mãe que tenho e os meus amigos, incluíndo voçês todos, um dia hei-de lá chegar.

Uma beijoca ;)

Raul Martins disse...

O título deste poste é um tratado!

Eu sou um grande fã de Paulo Coelho. Diário de um Mago; O Alquimista, Na Margem do Rio Piedra eu sentei e chorei... São os meus eleitos. Os outros não gostei.

E renard, não te esqueças que és uma renard!

Fátima André disse...

É verdade Raul, acho que fiz uma boa escolha de nome. O importante é conseguirmos interiorizar as palavras para as fazermos VIDA.
:)

Fátima André disse...

Renard,
já lhe disse o que penso sobre este assunto. Devo acrescentar que nós somos uma espécie de espelho uns dos outros e reflectimos nos outros a imagem que temos de nós próprios. Faça um esforço e comece por amar cada célula, cada membro, cada órgão do seu corpo. Ame-se muito com tudo o que é de bom e menos bom. Aceite-se… depois conversamos
Um sorriso :)