segunda-feira, 28 de abril de 2008

Aprender a ler e compreensão do texto: processos cognitivos e estratégias de ensino

Ainda a propósito do último post, deixo um excerto de um artigo sobre o valor da leitura e da compreensão escrita no processo de ensino e aprendizagem. Valores básicos. Não valerá a pena estabelecer metas ambiciosas sem antes vencer os primeiros degraus de iniciação à leitura e à compreensão escrita com sucesso. Susana Gonçalves* dá-nos uma perspectiva desses primeiros degraus e como encetar o caminho com o desejável sucesso educativo.

(…)
“O ensino da compreensão da leitura tem um valor formativo no âmbito do desenvolvimento pessoal e social dos alunos, desde as primeiras etapas de iniciação à leitura. A língua escrita é um veículo de comunicação sociocultural que difunde valores, ideologias, conhecimentos sobre o mundo. Através da leitura, o nosso campo de experiências (fonte de conhecimento e desenvolvimento) amplifica-se muito para lá das fronteiras da experiência directa.”
(…)
“Enquanto a criança não aprender a decifrar os códigos da linguagem escrita, o conhecimento que esta encerra permanecerá um mistério inacessível. Infelizmente, o ensino da leitura foi durante séculos concebido como o ensino da descodificação dos componentes formais da língua (sintaxe, fonética, léxico) para acesso à mensagem literal (muitas vezes nem isso). Esquecia-se que a linguagem tem outras dimensões: a pragmática (relacionada com os objectivos e os contextos do sujeito) e a semântica (relacionada com os significados). Gostar de ler pressupõe saber ler formalmente, saber ler significativamente e saber ler de modo contextualizado e pessoal.

A escola é o grande iniciador à leitura para a maioria das crianças. Deverá, por isso, garantir que esta actividade seja aprendida num registo de forte significação pessoal. Para isso, a leitura não pode ser apresentada como uma actividade mecânica, mas como uma actividade construtiva e empenhada do aluno, como algo a ser compreendido por referência àquilo que a criança já sabe e àquilo que quer saber para alcançar os seus objectivos. Só quando a criança conseguir estabelecer estes vínculos e perceber o valor e utilidade instrumental da leitura é que poderá empenhar-se na leitura de modo tão completo que assegure que o acto de ler é um verdadeiro acto de aprendizagem”(pp.148-149).

Para uma leitura integral: http://www.rieoei.org/rie46a07.pdf

*Professora adjunta e coordenadora do Gabinete de Relações Internacionais, Escola Superior de Educação de Coimbra.

In Revista Ibero-Americana de Educación n.º 46(2008), pp. 135-151.

Sem comentários: