domingo, 17 de fevereiro de 2008

Literatura, Poesia e Passatempos

Sobre o último Passatempo - Transmissão do Património Histórico-Cultural... aqui ficam algumas notas sobre o personagem da imagem (infra).

Miguel Torga (1907-1995)

Já aqui chamei à conversa, mais que uma vez, este incontornável vulto da Literatura Portuguesa, a propósito do centenário do seu nascimento (1907-2007) comemorado muito recentemente. No entanto, e para quem ainda não teve oportunidade, vale a pena dar um saltinho à Biblioteca Nacional –, onde poderá navegar pela vida e obra do autor: de Adolfo Rocha (infância e juventude_1907 a 1933) a Miguel Torga (maturidade e velhice_1933 a 1995); Antologia e Bibliografia. Uma viagem de um século que vale a pena encetar e deleitar-se nos trilhos da literatura e no prazer da leitura.
E como aperitivo saborosíssimo, a poesia de Torga:

RETRATO

O meu perfil é duro como o perfil do mundo.
Quem advinha nele a graça da poesia?
Pedra talhada a pico e sofrimento,
É um muro hostil à volta do pomar.
Lá dentro há frutos, há frescura, há quanto
Faz um poema doce e desejado;
Mas quem passa na rua
Nem sequer sonha que do outro lado
A paisagem da vida continua.

Miguel Torga

(Coimbra, 11 de Março de 1952)

Sem comentários: