sábado, 5 de janeiro de 2008

Hora da Poesia

A retribuição é pequena, mas segue com muito carinho e um cheirinho a brisa do sopé da Serra de Montejunto para alguém especial que vive juntinho ao mar :)


Mãe, nobre mãe... Natureza

Paulatinamente caminho
timidamente espreito
teus recônditos
silenciosamente orquestrados
em sinfonia perfeita
harmonia consentida
sem mestre ou instrumentos
simplesmente contigo
mãe natureza
sempre jovem e bela
perfeição indizível

seduzindo corações
que despojados
se abraçam enfeitiçados
pelo teu resplendor

por entre as brumas
por entre as trevas
espreita tua beleza infinita
encovas e desvelas teu brilho
ora afugentando a escuridão
a dissipar o ódio
ora exalando o perfume
de rosas silvestres
paraíso celeste
consagrado pelo Amor

amor divino
oblação de mãe
mãe... nobre mãe
que se consagra por amor
a todos os seus filhos eternamente

mas nem todos te amam
similarmente como mereces
és pântano para uns
és fogo para outros
e só para alguns recato
ilha paradisíaca
onde podem atracar
e aí vislumbrar
equilíbrio e placidez
senda de felicidade!

Fátima André, In retalhos… imperfeitos

2 comentários:

Glicéria Gil disse...

A natureza no seu melhor.:)

Professorinha disse...

Adorei a foto... linda... e o poema segue a foto...
Beijos